Poemas

MINHAS ENTRANHAS SAEM…

… elas saem de mim carregando do âmago

todo ódio, todas as raivas, os rancores cheios de fel..

… mas também estão cheias de paixão

amores acondicionados em plásticos corporais

sufocados em existências sem tempo para aflorar…

trazem as dores, os medos, os resquícios de força

coisas toscas como vontades e sonhos in vitro

me sinto com um buraco selvagem no ventre

como atingido por tiro de arma de fogo sem retorno

ou uma faca embotada, enferrujada que fere em dobro…

minhas entranhas se desfazem de mim…

elas não precisam mais do corpo que as fez nascer e crescer…

como animais ferozes soltam-se seguras natureza à fora.

e eu ali, parada, vazia, pensando nada.

só ouvindo o coração pulsar, pulsar, pulsar…

sem intenção de parar.

 

Imagem by Laura Makabresku (wonderful art, thank you!)

Você pode gostar também de

Sem comentários

deixe uma resposta