Contos e crônicas Desvarios

ATRÁS OU DIANTE DA PORTA

Atrás ou diante da porta. O que seria, o que será? Pouco importa, continuo ali, parada, esperando que ela se abra e me permita passar. Tenho as mãos atadas sobre a alma, se elas se soltarem talvez mesmo o coração caia. Então continuo ali, continuo ali parada e esperando. Pode ser hoje, pode ser amanhã. Pode não demorar, pode ser que eu espere o que vá ser uma eternidade. Quem sabe num instante de pensamentos desgarrados, de olhos distraídos, a porta fechada se destranque e, surpresa!, abra passagem. E seu não ver e ela voltar a fechar? Não! Preciso prestar atenção. Preciso ficar focada no trinco, na chave, na porta por inteiro. Haverá luz quando ela se abrir? Estará tudo claro ou tudo escuro do outro lado dela? Verei o que me espera ou não? Caminharei segura ou cairei no choro? Atrás ou diante da porta, permaneço. Permanecer ali é tudo o que me resta.

Imagem by Adi Goldstein in Unsplash

Você pode gostar também de

Sem comentários

deixe uma resposta