Poemas

PERDI O MEDO

os anos passaram.

e o que eu era, a matéria eu, o físico mim, todo o inteiro eu de fora

aquilo que me afastava de mim mesma e dos outros

partiu… como fumaça, como água no ralo da pia, como o fogo em cinza…

agora meu rosto de rugas desenhado, esculpido e calcado

me dá sorrisos cansados, não mais os puros dos distantes anos…

meu corpo se curva diante da vida…

tenho esperança em não mais ter esperanças…

e, no entanto, dentro de mim a alma sente-se tão leve, tão leve, tão leve…

há beleza, há beleza em ver a beleza partir…!

perdi o medo.

 

Imagem by Ali Morshedlou in Unsplash

Você pode gostar também de

Sem comentários

deixe uma resposta