Poemas

LAVAR A ALMA

Sabão de pedra

esfregando

na pedra…

esfregando

na madeira

do tanque…

na pia

cheia…

O chuveiro aberto

os pingos descendo…

um rio de cabeça

pra baixo.

A máquina

ensurdecedora

canta (sua cacofonia)

e ainda assim

lava.

E as lágrimas,

escorrendo

escorrem

e correm.

Ai, a alma! Tão dolorida e ferida, espera curar-se com a água, espera lavar seus pecados, espera voltar à inocência.

A alma, maculada pelas intempéries da vida, busca até o sangue para lavar-se dela.

 

Imagem by Victoria Palacios in Unsplash

Você pode gostar também de

Sem comentários

deixe uma resposta