Contos e crônicas Desvarios

PENSANDO AQUI SOZINHA

Ando no asfalto. Nas calçadas. Nas ruas de pedra. Nos caminhos de areia. Ando com os pés bem firmes no chão, não ando nas nuvens.
E mesmo quando me permito certos voos, eles acontecem somente neles vejo a possibilidade de alcançar algo. De resto, meus pés são mais próximos das raízes de uma árvore do que das asas de um pássaro…

Há no ar um sentimento bizarro de orfandade. Assim como de repente olhar para os lados e não ver mais ninguém que possa segurar a gente para não cair. E a gente, engatinhando ainda, sai arriscando passos, tropeçando, caindo. Olhando para o lado, espera-se a mão amiga. E ela não vem. De repente a gente virou adulto, sem pai, sem mãe, sem qualquer braço para nos abraçar nos momentos difíceis…. Resta aprender a andar, soprar as feridas e acreditar que soprando a dor passará!

Me importa muito a opinião que tenho de mim mesma, porque é o que faz a blindagem entre o que o mundo vê de mim e aquilo que realmente sou. Me importa fazer sempre o melhor, sempre melhorar, nunca estacionar. Porque se me deixar levar pelas impressões do mundo, com certeza uma hora ou outra, vai bater a fragilidade e, com a fragilidade, o medo de existir plenamente.

O bem-estar atrai. A gente vê de longe um sorriso, mesmo quando ele é tímido, que dirá quando se ouve uma boa e gostosa gargalhada! Tão bom ver alguém bem, sentir que a pessoa está num bom momento e que isto se reflete no jeito de olhar, nos gestos, na fala alegre. Sou atraída, confesso, pela felicidade alheia! Me sinto feliz só em ver alguém feliz!

Os céus nunca mudam de cor. Muda o nosso olhar. Muda o clima. Mudam as distâncias… Mas a essência ela mesma, o céu… nunca muda de cor!

Adoro quando a vida vem e me ensina, abrindo meus olhos, sendo bem mãe, me chamando a atenção, me dando lição. Nunca é tarde para aprender e tolo é o que pensa que do alto do seu pedestal consegue tudo enxergar. Graças a estes aprendizados, me sinto mais gente.

Quando você chega a desejar a uma pessoa que ela adoeça.
Quando você chega a desejar a uma pessoa que ela morra.
Quando você chega a desejar a uma pessoa que sua vida vá mal.

Pode ter certeza de uma coisa:
Há algo errado, gravemente errado em você!

Quando jovem, a gente aprende muito na rua, sendo a rua aqui neste pensamento, a escola, os amigos e hoje em dia as redes e as saídas sociais entre outros. Se aprende bastante. Mas se aprende muito mais em casa, com o que se vê, com o que se ouve, com as ideias que observamos e as reações das pessoas que respeitamos. Por isto me espanta de uma forma absurda a quantidade de jovens com a mente tomada por ideias de direita extrema, falando com naturalidade do estabelecimento de uma ditadura hoje, fazendo críticas duras a pessoas que são parte de minorias e sendo extremamente grosseiros, mesmo estúpidos, ao usar adjetivos bem negativos para se referirem a certas pessoas, sejam elas conhecidas ou não. O que ouvem, o que veem estes jovens em suas próprias casas faz a gente refletir e ter até um certo receio de fazer qualquer dedução.

Gente-uburu é coisa muita séria viu! Sou obrigada a rir, porque além de ser o que é e viver do que vive, este tipo aí não espera um segundo para abocanhar o que quer, nem sequer faz de conta ou dá um tempo… O urubu-gente é muito, mas muito cara de pau! O bicho-urubu é fácil de entender: questão de sobrevivência, cadeia alimentar e tudo mais. Mas pessoa-urubu… Dá até arrepio!

Um dos meus sonhos, nada pequeno, admito: igualdade. Outro sonho, tão grande quanto o primeiro: fraternidade E mesmo mais um que às vezes soa esquisito de se falar hoje em dia: liberdade!
Porque ainda não são todos que têm estas coisas… Ainda não são todos que sabem o significado destas palavras que são meus sonhos. Ainda não são todos que, realmente, querem que a igualdade seja para todos. Que o sentimento de fraternidade exista entre todos. E que a liberdade seja dada a todos.
Mas o lema, antigo e verdadeiro “Liberdade, Igualdade e Fraternidade deveria entrar no coração de cada um e dele retirar o ódio e a sede de poder, substituindo estes sentimentos nefastos pelo amor e pela justiça.

Faça aquilo que você sabe fazer. Mas faça. Diga aquilo que você pode dizer. Mas diga. Seja aquilo que puder ser. Mas seja. Só não fique parado. Não fique calado. Não esqueça de existir.

Criar é um ato de amor. A criação torna-se parte do mais íntimo de nós e através dela nos damos ao mundo. Criamos porque não nos contentamos de apenas ser. Precisamos nos fundir com o mundo e criar é exatamente isto, uma espécie de fusão, da nossa alma com todas as outras almas, numa tentativa feliz de existir plenamente.

Quanto tempo guardar: uma recordação, uma mágoa, uma palavra, uma saudade, uma imagem, uma expressão, um jeito, uma dor, uma emoção, um verso, um reverso, uma tentação, um perfume, um segredo, um medo, uma ilusão…?
Quanto espaço no coração reservar para cada sentimento?
Quanto tempo? Quanto espaço?

Imagem by Comfreak

(Originalmente postado em maio de 2016)

Você pode gostar também de

Sem comentários

deixe uma resposta