Poemas

INCONSTÂNCIA

não quero pisar firme
não quero terra firme
sob os meus pés cansados…
quero a areia molhada
das ondas do mar calmo
esperando o vento para dançar…
não quero a segurança
de um abrigo sob a terra
não quero a bonança
de saber o futuro como certo…
quero o desalinho das curvas
que desenham a estrada
e surpreendem a cada passagem…
preciso dos ires e vires
das viragens, da falta de estiagem
preciso saber que poderei
ser quem sou
sem o medo da constância
mãe de tanta agonia…
quando estiver no fim
velha aos pedaços ou
ainda agora aos pedaços já…
quando eu estiver no fim
nem aí me deem terra…
me deem o mar…
seu sal há de me doar a energia
que permitirá continuar
a ser…

Imagem by Ana J

Você pode gostar também de

Sem comentários

deixe uma resposta