Contos e crônicas

UMA CRÔNICA SOBRE O CINISMO

O RELATO ÍNTIMO DE UMA PESSOA DE BOA ÍNDOLE

Se você se identificar, não é problema meu, mas para você talvez…

 

Na verdade, não gostei que um partido de pobre, de esquerda, de oposição e sem estirpe resolvesse se candidatar várias vezes a cargos políticos importantes. Comunistas vagabundos não podem nem pensar em vir tirar a nossa calma e o nosso estilo de vida.

Na verdade, não gostei de ver um homem destes do povo, um reles trabalhador, ter intenções, mesmo que remotas, de se tornar presidente do meu país, de gente de classe boa, educada e onde a tradição da família é o que mais importa.

Na verdade, eu não gostei de ter que ver subir ao poder um homem que prometia defender gente pobre. Pobre é bandido e não merece defesa, o que dirá fazer outra coisa além de seguir as ordens que a gente dá.

Na verdade, eu não gostei que este mesmo homem, depois de eleito, realizasse o que prometeu, ou seja, transformou um monte de miseráveis em gente que come, vai à escola e frequenta supermercados e lojas como eu. Miseráveis que passaram a ir ao cinema, ter um certo dinheiro par o lazer e ainda por cima poder comprar, em muitos casos, carro e casa. Um absurdo tão grande quando eu ter que lidar com dívidas para manter meu status.

Na verdade, não gostei de ver este homem se reeleger. Um pária que só pensa em gentinha e que a gente tem ainda que respeitar? É demais!

Na verdade, não gostei de ver pobre indo para a mesma universidade do meu filho. Não gosto do meu filho misturado com gentinha, com bandidos. E o que esta gente tem que frequentar universidade com tanto emprego de gari, doméstica, zelador, pedreiro e outros serviços normais para eles precisando preencher vagas?

Na verdade, não gostei de ver minha empregada chegar para trabalhar toda arrumada, maquiada e penteada, com roupas boas como se pudesse comprar no mesmo lugar que eu. Não gostei desta história ridícula de ter que respeitar seus horários, assinar carteira de trabalho, pagar hora extra e décimo terceiro. Empregada não foi feita para isto, empregada é empregada e pronto. Submissa aos patrões!

Na verdade, não gostei e me incomoda ver a ascensão social desta gentalha que eu agora sou obrigado a cruzar nos cinemas, nos festivais de música e outras das minhas atividades culturais às quais eu estava acostumado e onde este tipo de gente não poderia nem entrar antes. E como eles têm dinheiro, são os que compram música (eu, baixo na internet que é mais simples e não custa nada) e então agora são os ídolos deles que são sucesso.

Na verdade, não gostei de ver os artistas que sempre admirei apoiar o governo que governa para pobres. Detesto vê-los cheios de sorrisos como se se nivelassem a eles. Vou acabar detestando esta raça de artistas e coloca-los de escanteio!

Na verdade, não gostei de ter que cruzar com esta gentinha em aeroportos, dentro dos aviões e, pior, nas cidades e países onde eu e meus amigos sempre tivemos o hábito de ter como destino de viagem. Um pesadelo ver estes miseráveis passeando em Paris, circulando em Nova York, falando da Europa como se tivessem o direito de ir para um dos lugares mais lindos e ricos do mundo, meu reduto!

Na verdade, não gostei de ver o tal desgoverno para pobres ficar realizando uma obra social atrás da outra. Eles agora têm Bolsa Família para não passar fome, tem assistência médica com farmácias populares e estes comunistas ousaram mesmo trazer para cá médicos cubanos! Criaram um tal de programa mais médicos e queriam que médicos formados, doutores como o meu sobrinho, fossem atender em favelas e lá nos confins das matas. Pode um absurdo destes? A tal raça agora tem acesso à educação e, pasmem!, até cotas raciais para entrar nas universidades. Vocês conseguem imaginar o que é ver estas minorias bandidas entrando à vontade nas universidades? Se formando? Tendo títulos de doutores? Me dá nojo!

Na verdade, não gostei destas minorias ridículas se aventurando e querendo fazer parte da sociedade como iguais: pobres, como eu disse, mas pior ainda, os homossexuais, os transgêneros, as feministas! Eles querem direitos! Mais direitos ainda! Querem formar famílias! Querem ser tratados socialmente de forma normal. O mundo está perdido, é um desatino só com este operário no poder!

Na verdade, não gostei de saber que uma mulher substituiria o operário presidente e ainda por cima, depois de ter sido eleita por aquele fim de mundo que não considero Brasil, exigiu ser chamada de Presidenta. Presidenta! Não me importa se a palavra está certa, o que me importa é que não gosto disto e do fato que ela continuou os projetos sociais do outro e minha situação, a situação da minha classe, está cada vez menos valorizada.

Na verdade, não gostei de saber que ela se reelegeu e que foi novamente aquele povinho que deu o voto final, deixando-nos à mercê, ainda, desta inserção de pobres que pensam que são gente e que pode invadir o nosso cotidiano. A filha da empregada foi fazer pós-graduação na Europa. Isto não é ridículo? Um verdadeiro caos! Minha filha que ainda não conseguiu se formar porque aqueles professores dão preferência para pobre! Só pode ser isto, perseguição! Esta quadrilha do governo está desmerecendo minha filha!

Na verdade, não gostei de ver estes pobretões infelizes fazendo festa atrás de festa, invadindo as praias que eu frequento. Não aguento mais esta situação onde ficam o tempo todo falando de igualdade para todos. Será que não veem que isto é impossível? Que esta gentinha nunca será a sociedade? Que nunca terão tradição, nome de família? Que nunca serão como nós?

Na verdade, não gostei de ver a abundância de indigentes que agora se acha alguma coisa e exige tratamento igual. Meu porteiro me cumprimenta como seu eu fosse da mesma laia que ele. Aquelazinha do supermercado outro dia se recusou a fazer o que eu mandei. A gente dá ordens para esta gentalha e eles não nos obedecem mais!

Na verdade, como não gostei de tudo isto, tratei de eleger nas últimas eleições os representantes municipais, estaduais e federais que sei que me ajudarão a tirar toda esta bagunça do poder. Estes ladrões de galinha! Pobre no poder nem roubar sabe. Roubam e todo mundo fica sabendo. Nos nossos bons tempos de governo, tudo sempre foi feito muito corretamente, nada à mostra, a gente sempre soube como fazer, porque nós temos estirpe, somos outra coisa. Temos classe!

Na verdade, eu nunca, jamais, vou admitir que melhorei de vida, que minha situação econômica melhorou muito. Jamais vou falar em público que desde que aquele operário fez o que fez eu comprei duas casas, tenho três carros em casa e estou sempre viajando para o exterior.

Na verdade, está chegando a hora de tirar aquela mulher horrorosa do poder. Vamos fazer qualquer coisa para tirá-la de lá, mesmo se tivermos que inventar coisas, chamá-la de ladra e de coisa bem piores. Nós já estamos cansados de ser tratados como iguais desses vermes. Tudo está preparado, aquela prostituta, vendida, terrorista, que conseguiu se livrar da morte duas vezes, esta, nós vamos derrubar e aí vamos acabar com ela e com tudo o que ela fez pelos seus protegidos.

Na verdade, está sendo mais fácil do que eu pensava. Temos os jornais do nosso lado e a televisão mais importante do país começou já há meses a fazer uma boa lavagem cerebral massiva, mostrando que nós somos bons e honestos e os que tem o poder nas mãos não passam de uma gentaça que vai acabar ficando com todo o dinheiro que nos pertence. A televisão e os jornais são maravilhosos, defendem os nossos interesses e estamos a cada dia aumentando os que querem aquela anta presidente fora do cargo. Vocês imaginam que até alguns ex-pobres estão convencidos disto? Morro de rir, me divirto. Vão todos voltar para o lugar deles!

Na verdade, já nos prometeram muito dinheiro pelo que tem por aqui e precisamos vender rápido. Que se danem índios, ambientalistas e todos estes chatos que nos perseguem. Entre o petróleo, minérios, estatais e outros bens ainda, vamos ficar ainda mais ricos em muito pouco tempo. E aquela corja vai sair do governo escorraçada como culpados de tudo. Somos peritos em colocar a culpa nos outros.

Na verdade, tudo o que precisamos fazer é levantar uma falsa luta contra a corrupção e começar a investigar tendenciosamente. Claro que alguns dos nossos vão cair, faz parte. Mas irão cair primeiro os ladrões de galinha e os idiotas que nunca roubaram, nunca aceitaram dinheiro para ficar do nosso lado. Vamos derrubá-los um por um como um dominó até retomar o poder. Já temos do nosso lado, boa parte dos poderes, que eles também não suportam mais a convivência com o povinho e, convenhamos todos precisam de dinheiro e poder para ser felizes!

Na verdade, todos já estão convencidos. Já conseguimos colocar na cabeça do restante da sociedade (a verdadeira, a boa e velha classe média) o quanto é importante que voltemos ao governo. E tudo bem, assim que reassumirmos o poder a questão da corrupção será esquecida, nós temos a mídia e quanto às leis, faremos tudo muito rápido. Enquanto os ignorantes comunistas ficarão gritando nós agiremos.

Na verdade, foi bem mais fácil do que eu imaginava. Para isto somos ladrões de casaca! Temos conosco a experiência de profissionais de todas as áreas para ajudar a realizar nossos planos. Somos fortes. Vamos começar tirando tudo o que deram para aqueles miseráveis, fazendo-os retornar para onde nunca deveriam ter saído: para o fundo do poço da pobreza extrema. De lá saberão nos respeitar novamente e nunca mais ousarão olhar-nos de igual para igual.

Na verdade, agora que voltamos ao poder estou bem mais tranquilo, me sentindo mais confortável para voltar a falar de amenidades. Chega de falar de corrupção, de rombos econômicos (estes a gente falsifica e passa para aquela mulherzinha que tiramos do poder). Agora podemos parar de falar em crise e retomar nosso dia a dia. Aliás, precisamos urgente dizer para todos pararem de falar e pensar em crise e ir trabalhar que é melhor.

Na verdade, tudo o que eu sempre quis foi o bem da minha família. O bem dos meus filhos, dos meus amigos. Estou agindo como pessoa de bem que sou. E agora, que estou na tranquilidade da minha vida, satisfeito e feliz, vem estes estúpidos defenderem o governo que caiu? Defender pobres? Minorias exigentes? Defender as riquezas e patrimônio do país? Me poupem, vão trabalhar seus desocupados. E obedeçam ao governo que obedecer é obrigação de vocês como cidadãos que devem viver sob a ordem e o progresso.

Na verdade, eu sei que sou puro ódio. Sempre soube. Ódio mortal por aquele operário ignorante e por aquela comunista que acabaram conosco. Eu sei que só o que quero é o poder. Eu sei que o que desejo é ver pobre, homossexual, feministas e esquerdistas todos mortos. Eu mesmo mataria se pudesse. Meu ódio me alimenta, me move e me faz viver. Mas quem precisa saber disto, não é mesmo? Basta culpar o outro do ódio que eu carrego e dissemino.

Você pode gostar também de

Sem comentários

deixe uma resposta