Poemas

AO FILHO QUE VI NASCER

não, meu filho, eu não te coloquei no mundo…

também não fui eu a pessoa que te deu à luz por fim…

não, não te fiz promessas bárbaras antes

mas te confesso que depois, sim, depois as fiz…

verdade seja dita, meu filho, mesmo por um segundo,

que as coisas contadas pela memória não são bem assim…

há enganos que pousam mansos e se tornam relevantes

quando se conta histórias e outras não se diz…

 

sabe, meu filho, apesar te ter te carregado em meu ventre

meses à fio, dia por dia, a imaginar-te a face…

no dia em que chegaste, a luz se fez em tua graça

eu apenas te concedi meu corpo para a viagem…

mas foste tu quem fizeste o caminho desde sempre

sozinho enquanto alma até o desenlace…

e aqui eu te esperava… e tu percorrias com raça

a estrada do infinito até chegar a estas paragens…

 

sim, meu filho, nasceste através da vida que me tem

mas mais do que te dei, me deste tu ao confiar

o teu destino junto ao meu para juntos nesta existência

sermos unidos pelo laço do cordão umbilical…

este cordão simbolizando o amor e o bem

que esta que sou, de tão pouca, poderia dar

ao ser que a escolheu neste universo de essências

a quem a permitiu ser mãe de um ser angelical…

 

Todos os pecados não serão apagados e nem esquecidos

mas todos eles serão pelo divino perdoados

do filho que jogou-se ao mundo pelo nascimento

da mãe que amparou-o com o coração e os braços…

o amor fará de ambos vencedores, que vencidos

são os que se abandonam sem ter se afeiçoado…

são os que se perderam em névoas de esquecimento

e nunca encontrarão a harmonia em seu regaço…

 

sim, meu filho, eu hoje te confesso sem felicidade extrema

que tanto e tanto eu gostaria de por ti ter feito

em todos os instantes de tua vida em que as dores

feriram a ti e a mim causaram mortes impiedosas…

queria, filho ter podido dar-te a vida mais amena

tudo ter dito, encontrado, sido um ser perfeito

que te evitasse o mal, tristezas e medos arrasadores

que te pudesse dar apenas coisas lindas, prazerosas…

 

Mas perfeição é coisa que inexiste e embora se queira

é impossível ser tudo e tudo poder empreender

não há como lutar contra a dor que se esgueira

e traz o mal-estar para o viver…

 

É então necessário renovar o olhar e a compreensão

e perceber que no silêncio e na lágrima são ditas

todas as palavras transformadas em perdão

que mãe sofre de amor e não possui guarita…

 

Filho, hoje tu segues tua estrada e nela já não vou contigo

fico de longe a te observar silente…

mas saiba que em mim sempre terás abrigo

serei a mãe que te amará eternamente!

 

(Filho, filha… Filha, filho…Filhos!)

Você pode gostar também de

Sem comentários

deixe uma resposta