Contos e crônicas

A PRISÃO DE ALMEIDA PRADO

Preso hoje Ricardo José de Almeida Prado. A polícia invadiu a casa do empresário, tendo feito também a invasão das casas de seus filhos e alguns amigos, além de seu local de trabalho. Almeida Prado foi levado à força para a delegacia de polícia para deposição, tendo a polícia mobilizado grande número de policiais fortemente armados para a operação que culminou em várias prisões.

O empresário nega veemente todas as acusações, mas o público já está convencido de sua culpa, afinal as maiores redes de comunicação do país, as quais anunciaram veladamente e com antecedência sua prisão, já haviam determinado seus crimes em manchetes e chamadas diárias para que a população atenta e fiel pudesse acompanhar e seguir.

Apesar das duras críticas feitas ao método utilizado pelo ministério público e pela polícia, Almeida Prado parece já ter sido condenado publicamente. Não há menção de provas que o incriminem de fato. Tudo foi baseado na condenação midiática combinada com a decisão bem pensada de um juiz que vem se destacando por seus métodos assaz abusivos.

A prisão de Almeida Prado leva a crer que agora todos os cidadãos estão à mercê do mesmo tratamento, o que deverá servir para limpar o país da corrupção. Fala-se já que a polícia deverá invadir a casa e prender todo aquele que cometer o menor ato corrupto, desde que seja devidamente delatado por um amigo, um vizinho ou conhecido. A questão das provas não será relevante e será discutida depois, através das redes de televisão e dos jornais.

O Ministério Público deverá assumir em breve as rédeas do país juntamente com o polo midiático que o apoia, tornando-se o primeiro Poder.

Grande dia para o país, o julgamento público do empresário remete aos remotos dias onde um chefe religioso teve também o mesmo tipo de julgamento e foi, pelo povo, traído, trocado e crucificado. Com certeza dormiremos mais tranquilos agora que temos uma rede de televisão e um sistema judiciário onipotente zelando por nós.

Bom dia cidadãos!

 

Você pode gostar também de

Sem comentários

deixe uma resposta