Poemas

MEUS EXCESSOS

Peco pelo excesso:

sou louca até soltar as pontas

eu largo as amarras

sem fazer as contas

e nem peço

licença

nem bênção

para ser quem sou.

Desatino em pessoa

vou e volto sem razões

destilo lágrimas ácidas

enquanto navego sem rumo.

Não, eu não me aprumo

com todas as falácias

povoando corações

quero viver à toa…

longe do cais da realidade

onde vivem todos amarrados

dentro de casas fechadas

sem janelas ou passagens.

Sou criatura da vida e é verdade

meu mundo não está soterrado

minhas pernas mesmo cansadas

seguem adiante na viagem…

E o excesso que me é peculiar

é o de extravasar toda a loucura

sem medo de quem joga o olhar

e julga se estou a sua altura.

 

Imagem by tr3ndyAndy

Você pode gostar também de

Sem comentários

deixe uma resposta