Poemas

CARNAVAL SEM FANTASIA

Carne.
Aval da carne.
Carnaval.
Sangue, suor e ouriço.
Feitiço.
À margem
sem margens
marginal.
Tudo vale.
Tudo pode.
Na vala, na rua.
Contra a parede nua.
Para esquecer depois
junto com o feijão e o arroz
e tudo o que for normal.
Carnaval.

Você pode gostar também de

Sem comentários

deixe uma resposta