Desvarios

OLHOS INFINDOS E OUTROS MAIS

OLHOS INFINDOS

Os olhos abertos, o olhar distante aponta para uma alienação qualquer. Há tempos a cabeça se vai assim, alheia a tudo e a todos, negando ouvir e assim também negando as respostas. Ninguém sabe se o alheamento é voluntário ou se é um delírio sem causa ou causado por qualquer coisa sofrida. Mas percebe-se, pelo opaco dos olhos, que a vida dali se distanciou e talvez leve um longo tempo até retornar.

 

FOMES E FANTASIAS

Abandonei a minha pele e vesti a fantasia dos teus sonhos. Agora abre os olhos e fecha completamente todas as portas exteriores. Depois que eu estiver dentro de ti e inversamente, tudo o que importará será nossa fome.

 

 

DA PERFEIÇÃO DO MUNDO

O mundo tem olhos que enxergam bem noite e dia. Dentro e fora. Qualquer matéria. Todos os tempos. Por isto não é preciso perder bons instantes da vida com fome de ódios e sede de vinganças. A memória do mundo é profunda e guarda tudo o que os seus olhos veem. Dele nada se esconde. Continue o seu caminho. Siga altivo, siga vivendo. E quando ouvir atrás de você gritos e tropeços… nem pense em olhar para trás. O mundo não precisa da interferência alheia em seu perfeito círculo de ações.

 

PEDRAS NA SOLIDÃO

Driblei a bruxa má e pelo bosque espalhei centenas de pedrinhas… agora espero aqui, escondida entre as árvores. No conto infantil os irmãos se perderam porque deixaram pedaços de pão… fui mais esperta… então por que a espera está sendo tão longa? Já estou com dor nas pernas. E se o sol se for? E se ninguém vier? E se eu me perder? Solidão foi sempre uma desculpa, mas agora está sendo meu caos. E eu calo. No silêncio ainda existem respostas…

 

CABEÇA GRÁVIDA

Pensar sem parar. Eu tenho uma cabeça grávida! Ela fica parindo filhos o tempo inteiro e sempre que eu acho que virá o descanso, percebo: lá está ela de novo, enorme, inchada, prenha, pronta para largar mais filhos no mundo. Alguns vão crescer, encontrar um coração, a liberdade. Outros permanecerão no escuro, pequenos, amedrontados pela luz do mundo. Mas todos continuarão sendo frutos desta gravidez incessante. Todos. Até a última geração.

 

 

RESSACA PERMANENTE

A embriaguez total. Sem meios-termos. Esta eu alcancei há anos. Por isto mesmo há anos nem uma gota de álcool me visita o corpo. Para que serviria?
Único inconveniente, e só pode ser isto, tenho também uma ressaca meio permanente, dia após dia quando acordo a dor de cabeça é pior. E eu que tentava encontrar causas mais nobres ou menos simplistas. Que nada! Já tenho a constatação: ando por aí 24 horas embriagada de poesia e devaneios. Rotina de gente sentimental.

 

 

VITRINE

Há os que passam a vida toda durante ainda e continuam me olhando e vendo o que sempre viram: um corpo exposto na vitrine. Volta e meia vestido conforme uma ou outra ocasião ou estação. Ou talvez mesmo como o desejo do dono da loja. E eu, antenado e calado e nada inocente manequim… nem ligo… deixo passar os tontos que pensam ter ideia de quem sou.

 

UNIDADE

 

Se em certos instantes eu for buscar em teu corpo o amante, não te acanhes, não te gabes. A tua alma está em minha mente, ela faz parte do meu ideal, ela é o meu ideal. Tu és um ser e eu sou um ser. E por sermos única fagulha nesse universo infindo não necessitamos mais sequer brilhar.

 

 JOGO

Há verdades consequentes e mentiras inconsequentes. É quando elas mudam o jogo e umas tornam-se as outras que a visão, mesmo do mais são, perde-se na neblina.

 

Imagem by pixolga

Você pode gostar também de

Sem comentários

deixe uma resposta