Desvarios

PENSAMENTOS DE CADA DIA

JOGOS E AZAR

Fica-se jogando no cassino da vida como se tudo o que se tivesse a perder valesse pouco ou nada. E joga-se o tempo, em jogos nos quais nos iludimos num show sem fim. E pensamos iludir o tempo enquanto ele, lúdico, nos provoca, e dele nos perdemos e perdemos a única noção que arraigada na razão, brigava no fundo de nós. Queremos tanto certas coisas ao ponto de esquecer que estas mesmas coisas, para acontecerem, precisam de um avanço rápido. Precisam de uma aceleração de horas, dias, semanas, meses. E todo o tempo durante, o tempo da espera, fora ele utilizado ou não, está já perdido, desperdiçado pela ansiedade. E assim se repetirão os movimentos, assim se repetirá o desejo. O tempo e a vida passarão e um olhar para trás não será suficiente para fazer voltar.

 

PRESSA FALSIFICADA

A paciência tece estranhos laços. Ao mesmo tempo que abranda ventos, aviva brasas quase apagadas. A paciência é um estado de falsificação da pressa

 

DITO OU NÃO DITO, EIS PORQUE NÃO

Eu não posso pensar nas coisas que gostaria de ter dito e não disse e também não posso me arrepender do que disse, pensando ou sem ter pensado. Porque os passos que dei me levaram adiante e a pessoa que falou ou silenciou lá atrás pouco era de mim o que sou hoje. O que eu diria ou não agora? Não sei. Encruzilhadas existem o tempo todo e adivinhar respostas é a pior das questões.

 

CONVENIÊNCIA

Previdência

Providência

vidência

 

Pode-se prever o que o destino pensa em prover?

Quem está abrigado da sorte (ou falta dela) enquanto espera?

 

PERDAS DE TEMPO

Cinco minutos. Meia hora. Uma hora e quarenta e dois minutos. Algumas horas. Dois ou quatro dias. Semanas. Vários meses. Anos! Quando, em que momento, o que nos faz, o que nos fez, o que já nos deu um dia a sensação de ter perdido tempo? De estar realmente perdendo tempo? Ah, a sensação do tempo perdido, do tempo que não volta e que poderia ter sido melhor aproveitado. Mas com o que? Com quem? De que jeito? Passada a sensação, encontrado o motivo, será que existem mesmo maneiras de mudar alguma coisa? Ou será que mesmo ingerindo todos os chás do mundo, a indigestão provocada pelo tempo perdido não passa?

 

ESCREVER OU CHORAR

Escrever é bom. Porque dá um jeito nas vontades de chorar. Ou nos momentos que não se tem outra coisa pra fazer. O problema são os pensamentos que se aproveitam e escapam, voando de um lado para o outro e a caneta o ou teclado pescando e colocando tudo no universo concreto. Até eu perder a rota. Espécie de rito. Vezes e vezes assim Quero escrever novamente. Ou chorar. E acabo por não fazer coisa alguma.

 

Imagem by Karl-Ludwig Poggemann

Você pode gostar também de

Sem comentários

deixe uma resposta