Contos e crônicas

SEM SAUDADES

Eram duas horas da tarde e o avião deixaria a cidade dali a poucos minutos. Decidida, Mercedes deu passo adiante. Levava uma pequena valise e uma sacola na mão. Deixava amores, tristezas, amizades, cenas sólidas que não queria levar na bagagem. Nem as melhores e nem as piores. Queria a ausência de todas elas na nova vida que iria ter. Carregava o passado porque era obrigada, não era coisa de se sacudir e deixar cair como uma caspa mal vinda. Mas sobretudo não levava vontades de voltar. Saudades, isto ela deixara para o futuro.

 

Imagem by Unsplash

Você pode gostar também de

Sem comentários

deixe uma resposta