Desvarios

PENSANDO ALTO!

Feridas, para cicatrizarem, devem ficar em paz. Se mexer, elas sangram, podem inflamar, infeccionar, criar pus, doer, doer, doer. Quanto mais mexer, maior será a dor e a cicatriz. É assim para feridas no corpo. E é assim também para feridas no coração.

 

Aviso a ti que me observas: o meu caminho não te levará ao mesmo lugar que te levaria. Este caminho me pertence, suas pedras, suas flores tudo o que mais nele houver. Siga adiante. Encontre o teu e vá aonde deves ir porque se continuares insistindo em percorrer o meu caminho, só o que conseguirás é perder-te.

 

Eu tenho muitas saudades, algumas mais avisadas aparecem apenas de vez em quando; outras, mais desesperadas, me deixam muitas vezes sem chão. Mas é a vida.

 

O que é a força interior senão a vontade inexorável de ser quem se é verdadeiramente e, desta simples e perfeita forma, vencer as barreiras que a vida nos impõe para o crescimento?

 

Faço as pazes com as memórias que não estão mais aqui. Ao invés de sentir o vazio. Ao invés de chorar a falta. As memórias se foram, como gotas indesejadas de uma torneira entreaberta… pingando… pingando. E agora outras memórias estão presentes. Não substituem as ausentes, apenas são outras e preenchem seus papeis. Não é não querer mais lembrar. É tão somente aprender a esquecer.

 

A poesia que escorre nas linhas já foi o sentimento materializado em teus sorrisos, tuas lágrimas, teu silêncio. Da imaginação ou do coração, a poesia é a alma do sentimento.

 

O corpo quando cansa faz sair por seus membros o cansaço. O repouso é tudo para ele e a esperança também. O tempo é aliado. A mente quando cansa faz sair pela boca o seu cansaço. O repouso consegue apaziguar e mesmo sem esperança vem a cura. O tempo é amigo. A alma quando cansa faz sair pelos olhos o seu cansaço. Não há repouso que ajude, nem há a esperança que cure. O tempo é o algoz.

 

Me apaixonei por ti todas as vezes em que te vi. O arrebatamento nunca foi eterno, mas durou eternamente a cada olhar. Bem que eu quis te amar. Mas foi impossível.  Foram tantas paixões por ti que não sobrou tempo e nem espaço para o amor. A intensidade da emoção sempre ofuscou o pensamento. Posso te escrever versos o resto da vida, pois a vida é todo um verso quando penso em ti. E a paixão, o universo.

 

Com a felicidade eu não brinco de esconde-esconde… Brinco de roda!

 

Sinta que meu silêncio te alcança. Que ele te abraça. Que ele te enlaça e te traz bonança. Depois, bem depois, quando a união de nossas almas for perene, pega meu corpo e quebra o meu silêncio com toda a força das tuas palavras de amor. Eu aceito.

 

Me invento. Me desenho. Me esculpo. Me pinto. Componho as músicas que me guiarão. Sou o resultado de tudo o que desejei para mim mesma!

 

O dia se estende pela manhã enquanto a noite se arrasta lenta céus a fora. Ela parte e deixa a lua, quase transparente lua, a esperar pelo sol que talvez nem venha. Manhã de inverno.

 

Quando me dizes “te amo” eu faço minhas tuas palavras. E te retorno feliz, sílaba por sílaba, tom sobre tom, toda emoção.

 

Imagem by Unsplash

Você pode gostar também de

Sem comentários

deixe uma resposta