Desvarios

MEUS PENSAMENTOS

Lá, longe, longe do despertar, fica o sonho. E todas as suas impressões com ele permanecem, encantando o pedaço de nós que adormeceu…
De nada servem pensamentos inteligentes e requintados e se a língua nada tem de sofisticada…

 

O que são exageros senão querer tudo tanto e tanto e tanto quanto se puder obter…
Como se os exageros depois coubessem do prato no estômago, das palavras no coração, dos olhos às mãos…
Hoje foi dormir cedo. Apagou a lua, estrela por estrela e foi se deitar. Queria dormir sob a escuridão da noite, sem nenhuma luz que lembrasse o dia…
Cobriu-se, abraçou-se ao travesseiro amigo e então pôs-se a sonhar, olhos fechados e coração aberto, imaginando tudo o que poderia lhe fazer feliz!
Detesto surpresas.

 

Amo a linearidade das coisas. Pouco importa se o sinônimo disto é rotina. Me importam as certezas.

 

Há na esperança um não sei que de belo, uma imagem, uma miragem, um dedo do Universo que nos toca e transforma. Um verdadeiro milagre.

 

Por favor
não apague as estrelas…
hoje eu quero sonhar…
Dormirei mais tarde
quando a lua também
for dormir.
Quero passar horas a olhar o céu…
Quero passar horas a me encantar com o céu…
Quero passar horas a navegar pelo céu…
Por favor…
não apague as estrelas…
Elas são meu guia neste infinito sonho!

 

Escrevo não para dizer o que sinto, mas para sentir o que digo. Escrevo para lavrar a palavra e com ela semear emoções.

 

O futuro
Decidi caminhar. Olhar o horizonte, pisar firme no chão. Mas sem olhar para trás, sem me fixar no que deixei para trás.
Decidi simplesmente caminhar em direção ao futuro vivendo cada instante da estrada que recebe meus passos.

 

Sonhar e não se contentar com o sonho, fazer dele realidade e vivê-lo intensamente. Sim. Viver mal a realidade e culpar o sonho ou os outros. Não.
Permaneça com o coração e os olhos abertos. Não só para o que você quer que seja, mas para o que verdadeiramente é.

 

O tempo pode ser cruel com o corpo, mas é o amigo mais precioso da alma.

 

Faleceu minha tristeza. Eram duas horas da manhã, eu recém acordava de um sonho que me trouxe felicidade. E foi assim que ela se foi, a tristeza que comigo dormiu…
diminuiu-se diante do bem-estar que me contagiou. Afugentou-se de ver comigo um sorriso que não lhe cabia.
Mas o problema com a tristeza é que ela morre e ressuscita. Pode levar tempos, mas ela ressuscita…
Foi quando resolvi dormir mais um pouco, beber daqueles sonhos mais um pouco, aproveitar da calmaria do sono mais um pouco. Depois seria depois.

 

Imagem by Tom Hall

Você pode gostar também de

Sem comentários

deixe uma resposta