Poemas

PORTA GIRATÓRIA

Presas nos dentes

as palavras

cortadas

afiadas

continuavam

a soltar veneno

não podiam ser engolidas

e assim nem mesmo

ser vomitadas

as palavras

atadas na língua

forçadas no calado estado

do silêncio obrigado.

Na porta giratória

da boca entre o selvagem e o doce

entre o salgado e o almoço

no meio de toda história…

As palavras

Traídas

Subtraídas

Invertidas

continuavam

entre o mais e o menos..

não poderiam mais

ficar escondidas

e por isto mesmo

encarceradas

As palavras

morrendo à míngua

entaladas no medo perverso

de ser o inverso

da memória.

 

Imagem by -Salvaje-

Você pode gostar também de

Sem comentários

deixe uma resposta