Contos e crônicas

O PEQUENO PECADO

Cometeu o pecado e pensou em avisar logo, contar de uma vez, confessar, livrar-se do peso. Queria vomitar, devolver, voltar o tempo, esquecer. Mas era um pecado tão pequeno! Pensou um pouco. Tão pequeno… Mais pensava e mais diminuía o pecado. No final do dia já tinha quase desaparecido. Sem peso e nem medidas mais drásticas resolveu enterrá-lo junto de outros entulhos naquela parte do cérebro onde a memória era curta e vasta era apenas a área do esquecimento. E lá se foi o pequeno pecado habitar a casa de ninguém, onde cercas não havia. Apenas fossos imensos e separadores que não deixariam mais ninguém chegar até ele, o pequeno pecado, nascido para ser esquecido.

 

Imagem by Luis Sarabia

Você pode gostar também de

Sem comentários

deixe uma resposta