Poemas

MALOGRO

Apanhou

da vida e não escapou.

Enquanto dormia

a vida seguia

e não o levou.

Coitado, vagabundo, excluído.

Perdido, imundo, baldeado.

Saiu da rua principal

onde andava cabisbaixo

entrou pela janela

na casa de um qualquer

e ele era um qualquer

e ele era o qualquer.

Acabou jogado

na rua da amargura

inútil e malogrado

vida que seguia

e não o levava e ia

esperdiçando o homem

que dentro dele existia

Apanhou e não sobreviveu

da vida ele não escapou…

 

Imagem by PublicDomainPictures

Você pode gostar também de

Sem comentários

deixe uma resposta