Contos e crônicas

HORA MARCADA

Tinha pressa, estava ansiosa. Pensava naquela palavra fim bem grande que se via no final dos filmes no cinema. Sentiu uma ponta de inveja. Queria uma igual aquela para usar ali, agora. Precisava terminar a agonia. Em que sentido giram os ponteiros do relógio quando estamos apressados? Mas não fez coisa alguma. Sentou-se novamente, pegou uma daquelas revistas velhas e sem graça que todo consultório tinha e resolveu esquecer por alguns instantes o dentista e toda sua música desesperante.

 

Imagem by RyanMcGuire

Você pode gostar também de

Sem comentários

deixe uma resposta