Poemas

CONSCIÊNCIA DO MEDO 2

Há medos claros e medos escuros.
Medos no claro e medo do escuro.
Escarrados e escusos.
Mas razões?
O medo não tem razões,
tem raízes, paternidades, fundamentos…
Tem alavancas, origens, momentos.
De nossa fragilidade se alimenta
encorpa, vai crescendo, tomando formas…
e lá de dentro, grotesco e gigante,
mostra o olho, mostra a cara
Mostra os dentes.
Dentro do armário?
Debaixo da cama?
Dentro da cabeça?
Debaixo do travesseiro?
Atrás da porta?
Atrás do sorriso?
Para o medo não há muro nem paredes
mas há todo um mundo escuro onde as redes,
para intimidação e sofrimento,
estão arremessadas
esperando por nós.

 

Imagem by geralt

Você pode gostar também de

Sem comentários

deixe uma resposta