Contos e crônicas

EXPERIÊNCIA NÃO SERVE PRA NADA

Eu acabo de chegar a conclusão de que a experiência não serve para nada. E a não ser que nos próximos cinco minutos alguém me prove o contrário, provando que existe uma outra vida ou qualquer coisa do gênero, vou dizer categórica: experiência de vida não serve pra nada. Nem pra dar conselho.

Diz pra mim, sinceramente, você que hoje tem hoje os seus quarenta e poucos anos e uma vasta experiência de vida. Por acaso ela impediu ou impedirá seus filhos, os amigos dos seus filhos, seus sobrinhos, seus vizinhos, seus amigos, seus próximos, de cometer as mesmas burradas que você aos treze, quinze ou dezessete anos na flor dos hormônios?

Por acaso a sua pesada bagagem impediria (realmente vai) você de se apaixonar de novo, de tentar de novo, de experimentar de novo, de buscar de novo? (Se disser que sim vou chamar você de velho, igualzinho como chamam agora os jovens quando a gente é obrigado a dizer não ou simplesmente arrisca um conselho).

Na verdade a gente esquece que foi jovem. A gente esquece aquela fase infantil. A gente esquece que foi bebê. A gente esquece tudo. Do útero materno até os ataques infernais sob músicas que hoje a gente faz de conta que são “cult”. Fazemos o que o que poderíamos denominar “triagem sadia”, para mostrar o lado bom da experiência e de nós mesmos. E acabamos, com o tempo, nos convencendo da realidade desta barbaridade, desta censura, deste AI5 contra a geração que espera de nós outra coisa que olhares condescendentes.

Sem falar de nós mesmo, que passaremos o resto da vida vivendo do “lado bom” das lembranças…. as coisas lindas do passado…

Quando eu digo que experiência não serve pra nada…

Quem é aqui que vai levantar e voltar no tempo pra corrigir as boas porcarias que fez na adolescência??? Quem vai voltar e poder usar o que aprendeu no início da vida adulta e poder dizer aos pais: perdão, eu compreendo o que vocês passaram, eu não deveria ter dito o que disse. Quem vai conseguir dar um tropeção na vida e correr para trás e pegar de novo aquela vaguinha naquele emprego rejeitado “porque não estava à altura” e recomeçar? Quem? Ninguém. Porque a vida só vai pra frente. O passado não conta. Passado quando conta é pra lembrar. E na maioria das vezes lembrança a gente até rejeita. Lembrança não serve nem pra dar conselho, “lembra”?

Então, quem sabe se existir uma vida aí numa galáxia próxima ou distante, ou num dos caminhos propostos por uma das religiões ou seitas estabelecidas ou por chegar a gente possa um dia utilizar a dita experiência de vida. Por enquanto, seu eu posso me permitir, coloquem este peso de lado, viajem leve. A vida já cheia demais de percalços para que a gente passe o tempo com as duas mãos tomadas por bagagens desnecessárias.

E mais uma vez, meus amigos, “Carpe Diem”. Até.

 

Meu repertório hoje é uma coletânea de 74 . Termina com o Espigão de Zé Rodrix….

 

Imagem by cortto

Você pode gostar também de

Sem comentários

deixe uma resposta