Poemas

DESABITUANDO-ME

Preciso exercer o desapego.

Mas na verdade nem sei mais do que desapegar…

Há muito abandonei as vontades de guardar…

Há tanto tempo não tenho mais segredos!

Mas ainda assim preciso do desprendimento

que libera a alma e solta a alma e deixa a alma livre para partir…

São certas coisa tolas como sentimentos

certos sonhos que não se realiza antes de ir!

Desabituando-me de tudo alcançarei a plenitude…

Eu sei e luto… enlevo o luto… e luto ainda mais ferozmente

para imaginar que além daqui meus sonhos valerão nada…

são todos frutos inóspitos da minha mente

e ficarão embaixo da escada…

Porque irei daqui de mãos vazias

e coração vazio

e mente vazia…

tentando recuperar

o que deixei lá.

 

Imagem by Herm

Você pode gostar também de

Sem comentários

deixe uma resposta