Poemas

ESTILHAÇOS

Se de dentro,
bem lá de dentro
onde se escondem as entranhas
e as paisagens estranhas
que são os sentimentos…
Se lá de dentro
onde me divido constantemente
e permanentemente me conserto…
Se lá de dentro eu implodir,
explosão bárbara!,
pedaços de mim cairão por tudo.
Fragmentos que não poderão ser colados.
Estilhaços de vida espalhados
em outras vidas.
Falta pouco. Falta um pouco.
Terei que me refazer,
de pedaço em pedaço
até voltar a ser inteira.
Ou desenganada quase, fingir-me inteira.
Juntar as peças como num quebra-cabeça.
Quebrada, mas não incompleta…
Buscando a plenitude,
mesmo sem estar ilesa.
Se de dentro,
bem lá de dentro de mim
acontecer a implosão,
os estilhaços irão voar longe,
cortando os céus e as carnes
dos que engendraram a fúria…
E depois no mar que será o sangue
da cor que pode ser o sangue
eu adormecerei plena.

 

Imagem by Unplash

Você pode gostar também de

Sem comentários

deixe uma resposta