Contos e crônicas

SURDA CONVERSAÇÃO

Pode calar a boca que eu não vou me incomodar. O silêncio não me incomoda faz muito tempo. Nem o meu e nem o de ninguém que estiver comigo ou por perto de mim. O que me indispõe é a sensação do silêncio quebrado por tagarelices que se imaginam importantes e, pretensiosas, avançam contra o meu silêncio puro estorvando os momentos de beleza.

Olhos se encontrando e conversando

Sem nada a dizer com palavras…

Mãos se encontrando e apertando

Sem nada a dizer com palavras…

Cala a tua boca insistente. É ansiedade? Não seja inconsciente… Inconsistente! É medo de me perceber feliz na vaga deste estado em que sinto bater meu coração, pulsando sob minha pele; os pelos que se levantam e abaixam a cada carícia de ar que passa. Se é tudo o que posso dizer : cala. Cala, depressa!! Cala e aprende a amar o que por ser calado, te dá sem pedir retornos! Cala e aprende a amar o que em ti fala, o que em cada canto por onde passas, fala.

O corpo que se abandona ao sono, abre as portas entre dois mundos. Os olhos fechados vêem duas vezes mais. Os ouvidos ouvem… ouvem…

Fechados, os lábios nem se inquietam. Sorriem. Sabem já que tudo o que houver para ser dito não será por eles que virá.

Agora cala. Me deixa aqui comigo. Tua falta de silêncio é um distúrbio ao qual não quero me acostumar. Me acostumo com o vento, com os pássaros, o andar leve das nuvens, os pingos da chuva e os raios mais furiosos… mas tuas palavras incessantes e incongruentes definitivamente estorvam o mais lindo dos momentos que eu poderia ter contigo.

Tu, ou tu… ou ali… lá… tu que passas ali… lá longe… calem-se todos….

Abram os ouvidos para os universos. Deixem que os lábios descansem. Escancarem o coração para este instante sem nenhum outro barulho ou voz: deste sossego hão de sorrir mistérios… mistérios de paz.

E num movimento diáfano, ao fundo uma melodia escolhida, novamente surgirá a voz. E outra voz. E as vozes se cruzarão novamente e delas nascerá um colóquio de amor.

 

(Estou em silêncio. E mesmo se ouço o disco de Maria Bethânia & Omara Portuondo, estou em silêncio…)

 

Imagem by Ilya

Você pode gostar também de

Sem comentários

deixe uma resposta