Contos e crônicas

O EFEITO DO COTIDIANO

Passavam filas de guarda-chuvas um atrás do outro. Coloridos como um sonho bom. Por baixo deles, passos apressados seguiam destinos diversos.
Da janela do primeiro andar, janela de feições antigas, ele observava sem pudor. Saboreava o seu almoço tendo uma cena real como distração.
Se fosse um cineasta, pensava, talvez escolhesse ser um daqueles diretores chatos, de nomes empoados e de vagas novas que hoje eram velhas. Apenas para assinar um filme sem sentido que falasse de guarda-chuvas e do efeito deles sobre o cotidiano. Arte.

 

Imagem by Neil Hall

Você pode gostar também de

Sem comentários

deixe uma resposta