Contos e crônicas

HORAS E MEIAS

Três horas. Duas horas e meia. Duas horas. Uma hora e meia. Uma hora. Meia hora. O tempo assim dividido fazia passar as horas. No saguão do aeroporto, munido de ansiedade e impaciência, queria apenas que as malas fossem logo despachadas e seguissem para o destino e assim o libertassem para a viagem. Quando as horas passaram e as malas se foram, finalmente sentiu a sensação de alívio que buscava. Saiu perambulando pelos espaços cheios da mesma cor. E então recomeçou a contar: duas horas; uma hora e meia… dali a menos de duas horas estaria partindo. Volta ou ida? Uma hora… quase na hora. Meia hora. Dentro do avião. Sentido único. Até a volta!

 

Imagem by Alan Levine

Você pode gostar também de

Sem comentários

deixe uma resposta