Contos e crônicas

DE FALSOS PROFETAS

É uma pena que as pessoas não saibam o quanto é importante aprender a ceifar seus próprios campos para cultivar novas sementes.

Há falsos profetas postados em todas as esquinas, fantasiados de várias profissões e religiões, prontos para anunciar o quanto você precisa deles: o quanto você é incapaz de se ocupar do campo que semeou com suas próprias mãos. Não, não estou falando da ajuda médica ou psicológica. Nem estou aqui reclamando de ombro algum… bem pelo contrário, que venham todos os ombros amigos!

Falo da hipocrisia dos que usam um verniz de humildade, só uma fina camada, para alardear a própria bondade, a própria grandeza de coração, a enormidade de seus feitos generosos. E não esquecem de utilizar cinicamente terceiros, com seus ares empíreos sob a máscara dos olhos quase doces, para propagandear seus feitos e ditos. Este tipo que acaba se tornando mais que “da família”, conhendo você “melhor do que ninguém”. E que muitas vezes nem tem um background para poder ajudá-lo realmente.
Entramos no século XXI invadidos por seres que não sofrem pesares e remorsos por suas vanglórias. Exercitam a exploração alheia com tal dom que chegam a crer em si mesmos. A crer que a cura tornou-se a dependência.

Pessoas, pessoas… cuidado… a bondade também é uma arma. E uma arma das mais perigosas quando usadas por gente mal intencionada ou alguém que se imagine todo-poderoso. De tanto ceifar seus campos, de tanto ajudá-los, de tanto curá-los, de tanto… cuidado com o exagero… Demais, até água faz mal!

Sem falar que todos nós somos simplesmente seres humanos. Os outros, lá para os demais cantos do universo quem poderá saber? Serão santos, deuses, astronautas?

 

(Inebriante Yo-Yo Ma interpretando Enio Morricone… principalmente “The Mission Gabriel’s Oboe” , The Mission The Falls e Cinema Paradiso Looking for You)

Imagem by Bart

Você pode gostar também de

Sem comentários

deixe uma resposta